Produtor, você está preparado ?

Cows are milked by machine at a milking station in a dairy farm in Hohhot, north China's Inner Mongolia on October 6, 2008. China has ordered more than 5,000 inspectors to be posted at its dairy factories, as the tainted milk scandal continued to impact countries as far away as South America. CHINA OUT GETTY OUT AFP PHOTO CHINA-FOOD-SAFETY-CHILD

China se prepara para ter a maior “fábrica de leite” do mundo que está sendo construída para suprir a demanda da Rússia após o boicote à importação de leite da União Europeia. Esta será a maior fazenda já construída no mundo e que custará 1 bilhão de yuan (161 milhões de dólares) de investidores da Rússia e da China.

Localiza na cidade de Continuar lendo…


Hipocalcemia: O que é e quais seus impactos no bolso do produtor

Helder Alvarenga.

3

Quando analisamos a sanidade de um rebanho leiteiro, por muitas vezes nos deparamos com problemas recorrentes e que poderiam ser facilmente resolvidos com ajustes finos no dia a dia. Sendo assim, falaremos nesse artigo sobre uma doença expressiva no que se diz respeito a percas nas propriedades, a Hipocalcemia ou popularmente conhecida como Febre do Leite.

A hipocalcemia, conhecida também como febre do leite, febre vitular, paresia do puerpério ou síndrome da vaca caída, provavelmente é a doença metabólica mais comum na bovinocultura leiteira de alta produção, chegando a afetar de 40 a 70% dos rebanhos na forma clínica ou subclínica da doença. Além de tamanha expressão, possui predisposição multifatorial onde se relacionam falhas no manejo, nutrição e genética entre outros.

Embora tenha denominações ligadas a febre, a maioria do quadro é de hipotermia, e em grande parte das vezes, está associada com o parto, ocorrendo antes, durante ou após. Todavia, raramente ocorrem relatos de Continuar lendo…


Lei sancionada aumenta pena para furto de gado

Fonte: Blog do Patrocínio

Fonte: Blog do Patrocínio

No dia 02 de agosto de 2016, o Presidente da República em exercício, Michel Temer, sancionou a Lei 13.330/2016, que classificou de forma mais gravosa, os crimes de furto e receptação de animais de produção como:gado, porcos e galinhas, ainda que abatido ou dividido em partes.
De acordo com a Lei, que tramitava em seu aspecto original desde 2013, quem cometer o furto ou receptar os animais furtados poderá ser condenado à pena de 2 a 5 anos de prisão. Antes do sancionamento, o Código Penal não especificava o crime de furto de animais destinados a consumo e produção, tratando tal delito como crime de furto comum com pena de 1 a 4 anos de reclusão.
Com nova roupagem, a lei ainda não propiciará a tão sonhada segurança daqueles que residem em suas propriedades rurais, vista a baixa presença de policiamento em muitas localidades, porém é uma tentativa válida para coibir o furto de gado e sua consequente venda a atravessadores ou a abatedouros clandestinos.

Helder Alvarenga


Controle Financeiro: Planejar ações para melhorar resultados

Juliana Carrizo

Fonte: Multi aplicativos

Fonte: Multi aplicativos

Segundo Gardiego Luiz, em seu último artigo publicado no Esteio Gestão, um fato muito importante em qualquer atividade dentro da pecuária (corte ou leite), é conhecer detalhadamente todos os custos de produção. Isto é essencial, porque fazemos parte de um mercado cada vez mais exigente, competitivo e tenrificado, onde os recursos são extremamente escassos, tornando-se fundamental aloca-los da melhor forma possível, visando sempre garantir a eficiência dentro da atividade, e isto se faz presente principalmente na cadeia leiteira. Tendo em vista isto, existem algumas formas de realizar este controle de custos e identificar os pontos críticos e consequentemente, planejar uma estratégia para reverter uma situação de crise.

Mas como realizar este controle?

Continuar lendo…