Tendências para Confinamentos na Produção de Leite

imagemO Compost Barn é um sistema de alojamento de vacas desenvolvido nos EUA na década de 80 e com crescente número no Brasil. Este sistema de alojamento consiste de um galpão ventilado e internamente aberto (sem as repartições individuais presentes no free stall) com área de descanso comum para as vacas. O bom funcionamento do compost barn depende da fermentação aeróbia da matéria orgânica pelas bactérias presentes na cama. Este processo ocorre por meio da mistura de materiais ricos em carbono (serragem, maravalha de madeira, casca de café) com material orgânico rico em nitrogênio (fezes/urina) através do revolvimento diário da cama. O revolvimento da cama (2 a 3 vezes ao dia) juntamente com a ventilação constante proporciona condições para infiltração de ar e manutenção dos níveis adequados de umidade. Tais fatores garantem a rápida degradação da matéria orgânica e proporcionam uma superfície seca e confortável para que as vacas possam se deitar e locomoverem-se.

A comparação com outro sistema de criação, o free stall é inevitável, pois ambos objetivam conseguir maiores índices de produção, qualidade do leite e menores taxas de descarte dos animais por problemas locomotores além de diminuir o estresse na lida diária. papel_parede_MilkPoint_140733140440Entre alguns desses parâmetros de comparação está o material utilizado para acomodar os animais sendo a areia considerada a melhor opção para o free stall, apresentando algumas características como ser confortável para os animais; limitar o crescimento bacteriano (por ser material inorgânico); reduz as chances de escorregões por meio do aumento da abrasividade na superfície nos corredores; possui baixa umidade inicial e retém pouca água. Além disso, a areia se desloca com a vaca no momento em que ela deita, levanta ou se movimenta na cama, esta característica reduz a fricção nos jarretes e joelhos e aumenta a superfície de descanso para as vacas.

De forma similar à areia, camas com material utilizados no compost barn se adaptam de acordo com a movimentação da vaca, proporcionando uma superfície confortável para as vacas deitarem e levantarem. Estudos recentes demonstraram que sistemas compost barn proporcionaram redução na incidência de claudicação (manqueira) em comparação com vacas alojadas em sistemas free stall com cama de areia.

Para fins de comparação, colocamos abaixo a estimativa de valores para a construção dos dois sistemas:

 Compost Barn Quantidade Valor Unitário Valor Total
Estrutura  1 R$ 291.640,00 R$ 291.640,00
Sistema de aspersão 1 R$ 15.600,00 R$ 15.600,00
2 corredores com calha 1 R$ 52.000,00 R$ 52.000,00
Fechamento Latral 1 R$ 9.000,00 R$ 9.000,00
Portões reguláveis 8 R$ 570,00 R$ 4.560,00
Ventiladores 3.0 8 R$ 4.200,00 R$ 33.600,00
Partida Elétrica p/ ventilador 8 R$ 480,00 R$ 3.840,00
Painel de comando p/ ventilador 1 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00
Fechamento Frontal 1 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
Alongador de pescoço para pista 1 R$ 5.200,00 R$ 5.200,00
Fossa 210mᶟ (10x5x4,2) 1 R$ 3.270,40 R$ 3.270,40
Total    R$422.410,00

 

 Free Stall Quantidade Valor Unitário Valor Total
Estrutura  1 R$ 197.540,00 R$ 197.540,00
Baias da Cama 104 R$ 375,00 R$ 39.000,00
Colchões 100 R$ 730,00 R$ 73.000,00
4 corredores com calha 1 R$ 62.000,00 R$ 62.000,00
Bebedouro de Polietileno 6 R$ 710,00 R$ 4.260,00
Fechamentos Laterais 1 R$ 6.500,00 R$ 65.000,00
Portôes Reguláveis 8 R$ 570,00 R$ 4.560,00
Ventiladores 3.0 6 R$ 4.200,00 R$ 25.200,00
Partida elétrica p/ ventilador 6 R$ 480,00 R$ 2.200,00
Painel de comando p/ ventilador 1 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00
Fechamento Frontal 1 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
Alongador de pescoço para pista 1 R$ 5.200,00 R$ 5.200,00
Fossa 300mᶟ (10x5x6) 1 R$ 3.967,00 R$ 3.967,00
Total R$ 427.807,00

Apesar de serem muito parecidos, cada sistema necessita de cuidados particulares para seu bom funcionamento. O ponto crucial no compost barn é manter a cama sempre seca, indicando que está ocorrendo um adequado processo de compostagem. Para isso é necessário o revolvimento dessa cama no mínimo duas vezes ao dia e a reposição de uma camada de aproximadamente 15 cm a cada quinze dias. Essa reposição pode ser variável, mas deve ser realizada sempre que a cama se apresentar molhada e compactada, indicando alto teor de umidade.
Os custos médios gastos por mês com a manutenção dos sistemas  são descritos abaixo:

Compost Barn Quantidade Valor Unitário Valor por Mês
Energia Elétrica Kw R$ 1.800,00
Trator (revolvimento de cama) 1,5 Hora R$ 80,00 R$ 3.600,00
Funcionário para limpeza e trato 2 Horas R$ 10,00 R$ 600,00
Depreciação da enxada rotativa 0,83% R$ 10.000,00 R$ 83,00
esvaziamento da esterqueira 20 Horas R$ 70,00 R$ 1.000,00
Remoção do composto (1 vez/ano) 12 Horas R$ 97,00 R$ 97,00
Trator com concha (1 vez/ano) 12 Horas R$ 84,00 R$ 84,00
Caminhão (1 vez/ano) 12 Horas R$ 68,00 R$ 68,00
Reposição da serragem/mês 300 mᶟ R$ 25,00 R$ 7.500,00
Total R$ 15.232,00

 

Free Stall Quantidade Valor Unitário Valor por Mês
Energia Elétrica Kw R$ 1.200,00
Funcionário para limpeza e trato 3,5 Hora R$ 10,00 R$ 1.050,00
Esvaziamento da esterqueira 2 Horas R$ 70,00 R$ 1.750,00
Reposição de serragem das camas 10,8 mᶟ R$ 25,00 R$ 4.050,00
Total R$ 8.050,00

Um estudo realizado recentemente comparando os dois sistemas teve como objetivo avaliar a higiene, locomoção e incidência de mastite nos animais. Em ambos os sistemas não houveram variações dos resultados mantendo-se iguais exceto pela claudicação ser menos aparente no compost barn. Vale ressaltar que que tal resultado manteve-se igual com o manejo adequado em ambos os sistemas, levando em consideração o cuidado dedicado a cama em que os animais permaneciam (reposição periódica e revolvimento da cama e ventilação adequada e constante). Em casos de falha no manejo, por exemplo no compost barn, a temperatura da cama devido a fermentação pode elevar a taxa de microrganismos vindo a ocasionar o aparecimento de mastite nos animais.

Tais opções se mostram bastante eficientes levando em consideração a disponibilidade do material a ser empregado nas diversas regiões do Brasil, sendo um fator que certamente impactará na manutenção dos sistemas e consecutivamente no sucesso financeiro da produção.

Autor:

Helder Alvarenga; Médico Veterinário pela Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde e Consultor Técnico do Esteio Gestão Agropecuária.

 

Produtor: Febre Aftosa – não perca o prazo !
Intoxicação por uréia: Entenda para previnir perdas

Comments

  1. Artigo exelente, gostei muito do artigo e do site.
    obrigado vou compartilhar com as amigas. até mais.

  2. Caraca, legal o artigo bem explicado, gostei.
    Muito legal mesmo, bem explicado tirou minhas duvidas.

    Obrigaduuuuu

Deixe uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *