RIISPOA é atualizado na data em que comemora os seus 65 anos!

Saiba mais sobre a nova atualização do RIISPOA e até onde poderemos ver sua atuação na produção do dia a dia.

A atualização do Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA) acontece em meio a um cenário conturbado no setor de proteína animal, depois da divulgação da operação “carne fraca”, que investiga irregularidades em frigoríficos.
A cerimônia no Palácio do Planalto ocorreu no dia 29 de Março de 2017 e reuniu autoridades e representantes do setor produtivo. A medida provisória aplica multas mais rigorosas às agroindústrias, que cometerem fraudes ou infringirem regras estipuladas pela lei para a fabricação de alimentos de origem animal.

Continuar lendo…


Reconhecer o solo como fonte de vida: manejo e recuperação do solo na pecuária

Quando falamos em fonte de vida, normalmente damos a água toda a glória e esquecemos do solo. Todavia, na produção animal um dos princípios básicos é reconhecer o solo como fonte de vida. A qualidade e o equilíbrio da fertilidade do solo (manutenção de níveis de matéria orgânica, promoção da atividade biológica, reciclagem de nutrientes e intervenção controlada sem destruição do recurso natural) são essenciais para a sustentabilidade da propriedade. Assim, na produção a saúde animal também está ligada à saúde do solo.

Grande parte dos sistemas produção de gado de corte e leite no Brasil são extrativistas com predominância de uso de pastagens nativas, implantação de espécies não adaptadas às condições climáticas de cada região e manejo inadequado. Essas pastagens apresentam baixa produtividade e estão sujeitas ao processo de degradação, comprometendo o desempenho da atividade pecuária.

Continuar lendo…


Quando devemos substituir a detecção do estro e inseminação artificial ou monta natural pela sincronização de ovulação e IATF?

A resposta a este questionamento parece óbvia, mas não é tão simples assim. Diversos fatores devem ser considerados na escolha do manejo reprodutivo de cada propriedade.

Em fazendas leiteiras, a eficiência reprodutiva é um dos fatores que mais influenciam o sucesso econômico do empreendimento. Para se ter um bom desempenho produtivo e reprodutivo, há a necessidade da redução do intervalo entre partos através da inseminação ou monta natural de vacas e consequente gestação o mais cedo possível após o período voluntário de espera  no pós-parto. Devido a problemas cada vez mais frequentes de detecção de cio e queda nas taxas de concepção em vacas leiteiras, o intervalo entre partos tem sido cada vez mais prolongado. Tem-se notado ao longo dos anos que vacas, especialmente as de elevada produção leiteira, têm apresentado um aumento gradativo em problemas reprodutivos, aparentemente devido a causas multifatoriais. Uma dessas causas, e talvez a mais relevante, seja o próprio aumento na produção de leite associado ao aumento no consumo de alimento. Diversos trabalhos têm demonstrado uma correlação negativa entre o aumento da produção de leite e a eficiência reprodutiva em vacas leiteiras.

Uma alternativa de manejo reprodutivo que tem sido utilizada para tentar contornar o problema da baixa taxa de serviço no pós-parto é a Continuar lendo…