A idade ao primeiro parto (IPP) é um indicador técnico muito importante na pecuária, principalmente na pecuária leiteira, pois é a partir do momento do parto que o animal começa a gerar renda para o produtor por meio da venda do leite produzido.

 

Durante as fases de cria e recria os recursos são investidos para que os animais cresçam de forma saudável, sendo necessários boa alimentação e cuidados com a saúde. Neste período os animais não contribuem com a geração de receita na atividade, porém, o desempenho nesta fase está diretamente relacionado com o sucesso na produção de leite futura desses animais. Novilhas que tem a idade ao primeiro parto reduzida produzem mais leite, aumentam a vida produtiva, reduzem os custos com a recria e aumentam a receita da atividade.

Os desafios enfrentados durante o desenvolvimento das novilhas são inúmeros, especialmente relacionados à saúde. Doenças como pneumonia, tristeza parasitária e quadros de diarreia são mais comuns durante o primeiro ano de vida da bezerra, enquanto no segundo ano a preocupação do produtor se volta mais para a nutrição, reprodução e o crescimento e desenvolvimento da glândula mamária.

A idade ao primeiro parto está diretamente associada aos índices de ganho de peso na recria, pois, a primeira inseminação de uma novilha ocorre quando ela apresenta peso e idade adequados. Novilhas com baixo ganho de peso serão inseminadas tardiamente, aumentando a idade ao primeiro parto e, consequentemente, o custo para o produtor.

Ter as metas de ganho de peso bem estabelecidas auxiliam o produtor com o manejo reprodutivo das novilhas. Semelhante ao baixo ganho de peso, um ganho de peso muito alto também não é adequado, isso porque o excesso de energia consumida pelas novilhas se acumula na glândula mamária sob a forma de gordura, atrapalhando o desenvolvimento dos alvéolos e reduzindo a capacidade de produção de leite. Por isso é preciso estar atento ao peso e a idade da novilha no momento da inseminação, que varia de acordo com as raças.

Bezerro mamando na vaca

Efeitos da redução da idade ao primeiro parto

Alguns experimentos foram feitos relacionando a produção de leite com a idade ao primeiro parto, como o conduzido por Ettema e Santos (2004), onde um grupo de vacas Holandesas com primeiro parto entre 23 e 25 meses de idade e peso médio de 603 kg foi o que apresentou melhor desempenho na primeira lactação. As vacas que pariram com idade entre 23 e 25 meses ou acima de 25 meses produziram pelo menos 1 kg a mais de leite do que as que pariram com menos de 23 meses, mostrando que a IPP muito precoce também não é o ideal. O desempenho reprodutivo também foi avaliado e aquelas que pariram entre 23 e 25 meses apresentaram maior taxa de concepção na primeira inseminação, menor número de inseminações para prenhez e menor período de serviço na primeira lactação. Ou seja, o grupo de vacas que tiveram o primeiro parto com idade entre 23 e 25 meses apresentaram maior produção de leite e melhor desempenho reprodutivo, refletindo de forma positiva diretamente no bolso do produtor.

Isso mostra que todo investimento feito nas fases de cria e recria retornam ao produtor quando a novilha inicia sua vida produtiva mais cedo, devendo ser, portanto, uma meta a ser alcançada na propriedade.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário