Você que ainda não iniciou a colheita, já se planejou?

Estamos em plena época de colheita de milho para silagem, e segundo dados da Conab, até 31 de janeiro, 31% dos produtores já colheram o milho no Rio Grande do Sul, e cerca de 2% no estado de Minas Gerais.

É importante que o produtor esteja preparado para saber o momento certo da colheita e ter o melhor aproveitamento possível, evitando assim, grandes prejuízos. Portanto, hoje nós vamos falar dos principais pontos a serem analisados durante a colheita do milho para se ter uma silagem de qualidade. 

Antes de iniciar a colheita é necessário um planejamento:

  1. Se o maquinário é próprio, deve-se revisar os equipamentos, e avaliar a qualidade e regulagem da faca e contrafaca para o melhor processamento dos grãos e padronização no tamanho de partículas;
  2. Vai precisar alugar máquina? Agendar com antecedência, monitorando a matéria seca da planta;
  3. Planejamento estratégico de compras de materiais: lonas de vedação, lonas com barreira de oxigênio, e, caso for utilizar, compra de aditivos/inoculantes;
  4. Dimensionar quantos caminhões serão necessários para transportar o material da área colhida e quantos tratores para compactação.

Feito o planejamento pré-colheita, o que deve ser analisado na hora de colher o milho?

1) Ponto de colheita:

O ponto ideal é aquele que vai permitir maior matéria seca digestível por hectare, vai depender da máquina a ser utilizada na colheita. Existem dois métodos para se avaliar o ponto de colheita: matéria seca da planta e/ou pela “linha do leite”.

  • Matéria seca;
  • O ponto ideal é colher quando a planta estiver entre 30 a 37% de matéria seca, a depender da máquina a ser utilizada na colheita;
  • Colhedora tracionada por trator, sem cracker (equipamento utilizado para quebra de grãos): entrar com 30% de matéria seca. Ao iniciar a colheita em 30% perde-se um pouco de amido, mas aumenta o processamento do grão e, consequentemente, o aproveitamento deste. Colhedoras automotrizes permitem a colheita com a planta acima de 34% de matéria seca.
  • O nível de processamento ideal é quando o milho é dividido em pelo menos 4 partes. Quanto mais duro, ou seja, maior a matéria seca, mais difícil o processamento pelas colhedoras tracionada por trator;
  • Para a análise de Matéria Seca, que pode ser feita na própria fazenda utilizando-se de microondas ou fritadeiras elétricas (Air fryer), deve-se colher uma amostragem de 10 a 15 plantas, evitando bordaduras, as amostras devem ser picadas e homogeneizadas.
  • Cuidado no momento de fazer a amostragem: Colher a planta depois de chuva ou durante o orvalho, pode mascarar a matéria seca atual;
  • Linha do leite;
  • Mais rápido e prático de avaliar o ponto de maturação do milho;
  • Delimita a fração de amido depositada no grão entre a fase sólida (farinácea/dura) do grão e a fase pastosa, de cima pra baixo;
  • Para colhedoras tracionadas: colher entre ¼ a ? da linha do leite;
  • Para colhedoras automotrizes: colher entre ½ e 2/3 da linha do leite.

Se as lavouras forem ensiladas antes do ponto ideal, o rendimento e a matéria seca da silagem será menor, afetando no custo final da tonelada (por Kg de matéria seca) e a alta umidade pode influenciar em fermentações indesejáveis, causando perdas do material ensilado, além da produção de efluentes causando perdas de nutrientes por lixiviação. Se a ensilagem ocorrer acima do ponto ideal de colheita podem ocorrer falhas na compactação, ocorrendo a retenção de oxigênio e o favorecimento do desenvolvimento de fungos.

2) Tamanho de partículas:

O tamanho da partícula é fundamental para uma melhor densidade da massa de forragem, auxiliam no crescimento de bactérias fermentativas, favorecem o consumo pelos animais e atuam no funcionamento ruminal.

O ideal é utilizar o método das peneiras penn state durante o processo de ensilagem para avaliar o tamanho das fibras e regulagem das máquinas de corte, caso necessário. Nesse método, entre 45 ~65% das partículas devem ficar retidas na peneira de 8mm e de 3 a 8% na peneira de 19mm.

Ponto de colheita do milho

3) Compactação do silo:

A compactação adequada permite expulsar o máximo de ar possível do material colocado no silo. De modo geral, as silagens adequadamente compactadas devem apresentar densidade entre 600 kg/m³ a 800 kg/m³.

Para uma adequada compactação, deve-se comprimir o material que chega ao silo em camadas de até 30cm de espessura. O equipamento utilizado para compactação deve possuir peso igual ou superior a 40% da massa de forragem que chega ao silo por hora.

Além disso, o tempo de compactação ideal é de 1 a 3 minutos por tonelada de forragem depositada. O tempo de compactação deve ser sempre maior que o tempo de colheita.

Compactação

4) Vedação do material ensilado

O tempo de enchimento e compactação do silo deve ser o menor possível. O ideal é que o processo seja feito todo em 1 dia, porém, sabemos que áreas muito extensas e períodos de chuvas podem comprometer. Portanto, sempre que precisar parar e continuar no dia seguinte, é necessário fechar o silo com a lona para não permitir que o contato com o oxigênio e a respiração da planta recém cortada influenciem na fermentação.

Deve-se utilizar lonas de dupla face, com espessuras de 200 a 400 micras e a utilização de materiais pesados sobre a lona que permitem a aderência à massa ensilada, como pneus e/ou terra. Além disso, é recomendável o uso de lonas com barreiras de oxigênio, já disponíveis no mercado.

5) Tempo mínimo para abertura do silo e retirada da silagem:

O ciclo fermentativo de uma silagem completa-se com 21 dias, recomenda-se que a abertura do silo ocorra no mínimo com 30 dias. A retirada da silagem deve ser feita em camadas mínimas de 15-20 cm para minimizar a exposição da superfície ao ar.

Como o Esteio pode te ajudar?

O Esteio te ajuda a ter o controle de todos os custos durante todo o processo de produção da silagem. Desde o custo com plantio, adubação, colheita até ensilagem. Assim, é possível saber se produzir silagem na sua fazenda é vantajoso para o seu sistema.

Esteio
Esteio

É possível realizar compras estratégicas, gerar e retirar estoque dos itens e em cima do total produzido da silagem você consegue contabilizar no seu custo de produção o custo do volumoso consumido pelos animais em R$/kg.

Esteio
Esteio

Viu como é fácil e prático?

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Sabrina Baltazar – Equipe Esteio

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário