O melhoramento genético do rebanho tem sido uma das principais causas de aumento de produtividade nos rebanhos de leite e de corte, sendo fundamental para todos os pecuaristas que querem produzir de forma mais sustentável e econômica.

Sendo um dos pilares da pecuária, o melhoramento genético possibilita que características desejáveis sejam expressas nos animais, como maior produção de leite, produção de sólidos, precocidade, deposição de gordura, dentre outras. E aliado às práticas de nutrição e sanidade adequadas, o produtor consegue atingir os resultados desejados em menor tempo, principalmente com as técnicas disponíveis no mercado, como inseminação artificial, inseminação artificial em tempo fixo (IATF), transferência de embrião (TE) e fertilização in vitro (FIV).

O primeiro passo para iniciar o melhoramento genético do rebanho é definir os objetivos e os critérios de seleção. Os objetivos de seleção são relativos ao retorno econômico que o produtor deseja, enquanto os critérios de seleção são as características necessárias e de interesse para que se atinja os objetivos.

Touro Nelore

Critérios de seleção

Algumas das características mais procuradas e avaliadas nos programas de melhoramento genético são:

  • Produção de leite
  • Produção de sólidos
  • Fertilidade e precocidade sexual
  • Facilidade de parto
  • Conformação de úbere
  • Qualidade da carne
  • Potencial de ganho de peso
  • Eficiência alimentar

Após identificar as características que seriam interessantes para se ter no rebanho, é o momento de escolher os touros mais indicados para montar o acasalamento dirigido. O acasalamento dirigido nada mais é do que escolher quais touros serão utilizados em quais vacas para serem os pais da próxima geração de animais. E com uso da inseminação artificial ou da IATF fica muito mais fácil, rápido e econômico de se fazer isso. A escolha dos touros deve ser feita observando, além das características desejadas, as condições da propriedade, já que o potencial genético dos animais só é totalmente expresso quando há um ambiente favorável para isso. Ou seja, é preciso cuidar da nutrição, saúde, conforto e ambiência dos animais, principalmente quando se trata de vacas leiteiras.

Uma outra forma de melhorar o rebanho é por meio da participação de algum programa de melhoramento genético, onde além de consumir a genética de animais superiores, o pecuarista passa a produzir a sua própria genética. Nestes programas são feitas as avaliações genéticas dos animais da propriedade, identificando os animais superiores para as características desejadas e, posteriormente, realizando o acasalamento dirigido. A vantagem de participar de um programa de melhoramento é que o pecuarista tem as informações genéticas do seu próprio rebanho, o que agrega valor no momento da venda de algum animal.

Independente da forma que o pecuarista irá proceder o melhoramento do seu rebanho, seja apenas utilizando os touros provados em sus vacas ou participando de algum programa de melhoramento, é importante ressaltar que isso contribui para aumentar a produtividade e a lucratividade do produtor, que irá produzir mais e terá animais com uma genética superior, melhorando a eficiência da sua atividade.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário