A dieta aniônica pode ser considerada uma ação preventiva contra doenças pós-parto

Durante sua vida produtiva as vacas passam por eventos de grande importância, que podem ditar sua longevidade, saúde e produtividade no rebanho. Alguns desses eventos podem ser denominados como parto, inseminação, prenhez e secagem. Mas atenção! Erros nessas etapas podem colocar em risco a eficiência da atividade leiteira e determinar quem está ganhando ou perdendo dinheiro no ramo. Agora me diz, você quer estar de qual lado da balança? 

No que diz respeito ao parto, as vacas em lactação passam por um período de secagem, necessário para involução e recuperação do úbere para uma nova lactação. Posteriormente, cerca de 21 a 30 dias antes do início da nova lactação, é recomendado que recebam uma dieta específica para a fase de pré parto. Nesse estágio, tanto as novilhas quanto as vacas podem receber tal alimentação. 

Agora vamos entender alguns aspectos importantes?

O que é uma dieta aniônica?

A dieta aniônica está baseada no desequilíbrio proposital dos cátions e ânions, que nada mais são os minerais que a compõem, como cálcio,  potássio, enxofre, e  cloro. A intenção desse tipo de dieta é levar o sistema das vacas a uma leve acidose metabólica, ou seja, diminuir o pH do sangue. A acidificação sanguínea ativa o eixo de regulação do paratormônio (PHT), responsável pelo equilíbrio entre cálcio e fósforo, este por sua vez promove mobilização do cálcio ósseo para o sangue, aumentando o nível disponível de cálcio circulante. 

E qual a importância de incluir a dieta aniônica no meu rebanho?

Ao incluir a dieta acidogênica no período de pré parto, como explicado acima, as vacas terão uma leve acidose metabólica que auxiliará na maior circulação de cálcio no sangue. Este processo é de extrema relevância pois a vaca tem alta exigência de cálcio, que se explica na produção de colostro que pode conter o dobro de cálcio existente no leite e também devido às contrações do parto. 

A deficiência de cálcio neste momento da vida do animal pode levar a quadros como hipocalcemia, também conhecida popularmente como “febre do leite”, que é uma doença pós-parto extremamente relacionada a problemas reprodutivos como  retenção de placenta. 

Vacas acima de 3 partos e de alta produção são mais acometidas por hipocalcemia, por haver menor potencial de trocas de cálcio dos ossos para o sangue, portanto a dieta aniônica para este tipo de animais deve ser priorizada. 

Quais são os benefícios deste tipo de Dieta?

A dieta aniônica pode ser considerada uma ação preventiva contra doenças pós-parto, sejam elas de cunho nutricional, como a hipocalcemia e outras mais, pois sabe-se que esta por sua vez predispõe o animal à cetose e deslocamento de abomaso. Todo esse cenário é prejudicial ao animal não somente no pós-parto, mas em toda sua vida. No aspecto reprodutivo as dietas acidogênicas estão relacionadas a menos problemas com retenção de placenta, o que por sua vez também diminui a incidência de infecções uterinas como endometrite e metrite. Dessa forma é possível visualizar que o dinheiro gasto preventivamente é mais proveitoso, do que aquele destinado a tratamentos de doenças que poderiam ser evitadas, não é mesmo?

Agora me diz, o que eu preciso para fornecer esse tipo de alimentação?

  • Quando se considera em incluir essa alimentação no rebanho é necessário pensar em instalações, pois é de extrema importância que os animais não tenham acesso a pastagem, já que elas são ricas em potássio, mineral com alto potencial catiônico, o que compromete a eficácia da dieta aniônica. 
  • É necessário acompanhar o pH urinário dos animais a partir de 10 dias de fornecimento da alimentação, o pH deve estar entre 6,2 e 6,8, indicando que o núcleo aniônico está sendo efetivo. Valores acima de 7 indicam ineficiência na quantidade incluída, sendo necessário aumentar a proporção ou rever a forma como está sendo realizado o arraçoamento. 

E como o Esteio te ajuda? 

O registro do suplemento na plataforma Esteio pode auxiliar e muito na tomada de decisão, pois lá você tem em suas mãos um relatório que detalha o fornecimento em kg por animal no lote.O relatório vincula informações importantes como ganho de peso dos animais, a quantidade de ração consumida, os dias de fornecimento de uma forma facilitada e visual. 

A associação destas informações são cruciais na tomada de decisão de aumentar ou não o núcleo aniônico na dieta pré-parto, ou reduzir a quantidade energética/proteica fornecida junto ao núcleo,  melhorando a performance dos animais e otimizando os custos da fazenda.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Ryvia Cruz – Equipe Esteio

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário