Saiba mais sobre a dieta aniônica, que deve ser fornecida  três semanas antes do parto

Um dos maiores desafios que ocorrem em uma fazenda leiteira é o período de transição das vacas, que corresponde aos 21 dias que antecedem o parto e os 21 dias após o parto. Neste período o organismo da vaca passa por inúmeras mudanças fisiológicas e se não for bem conduzido poderá acarretar prejuízos ao produtor, afetando a produção de leite, a reprodução e a saúde da vaca.

Uma das principais doenças que ocorrem após o parto é a hipocalcemia. Ela é responsável por facilitar o aparecimento de vários outros problemas, como retenção de placenta, mastite, deslocamento de abomaso, entre outras. A hipocalcemia é caracterizada por uma baixa quantidade de cálcio disponível no sangue, o que dificulta a contração muscular e alguns reflexos nervosos. Também é conhecida como febre do leite e um dos principais sinais clínicos da doença é a vaca não conseguir se levantar após o parto.

Uma das formas de se evitar esse quadro é fornecer uma dieta aniônica durante os 21 dias que antecedem o parto, como forma de otimizar os mecanismos que regulam a quantidade de cálcio no sangue.

Vacas

Entendendo a dieta aniônica

Durante o pré-parto a exigência de cálcio é mais baixa e a dieta geralmente contém altos níveis de sódio (Na) e potássio (K), o que leva a uma alcalose metabólica. Devido a esta alcalose, o organismo entende que não é necessário mobilizar o cálcio que está contido nos ossos e nem aumentar a absorção de cálcio que ocorre no intestino. Porém, quando o momento do parto se aproxima, a demanda de cálcio na glândula mamária aumenta, fazendo com que o cálcio sanguíneo seja direcionado para a produção do colostro.

Como a quantidade de cálcio sanguíneo está baixa, o organismo aciona os mecanismos de absorção intestinal e mobilização de cálcio dos ossos, mas estas ações não ocorrem de forma imediata. Desta forma, no momento do parto a vaca já não possui cálcio suficiente para conseguir se levantar ou manter as atividades de contração muscular, entrando no quadro de hipocalcemia clínica ou subclínica.

Por outro lado, quando os animais recebem uma dieta aniônica a alcalose metabólica não ocorre. A dieta aniônica é uma estratégia nutricional que contém sais aniônicos, como sulfatos e cloretos, que provocam uma leve acidose metabólica, fazendo com que o nível de cálcio no sangue aumente.

Em resposta ao aumento das cargas negativas dos íons de cloro e enxofre, ocorre um aumento da absorção de cálcio no intestino e da mobilização de cálcio ósseo, fazendo com que haja uma maior quantidade de cálcio circulante no sangue. Com isso os níveis de cálcio no sangue após o parto se mantêm, evitando a hipocalcemia.

E importante ressaltar que a dieta aniônica deve ser fornecida nas últimas três semanas antes do parto, para que a acidose metabólica ocorra. Podemos mensurar a efetividade da dieta aniônica por meio do pH urinário das vacas, que deve estar entre 5,5 e 6,8.

Além da escolha de um bom sal aniônico, é fundamental evitar fornecer volumosos ricos em potássio e garantir o balanceamento de todos os outros nutrientes. O manejo nutricional diferenciado no pré-parto evita prejuízos que podem afetar toda a lactação, além de comprometer a reprodução e a saúde das vacas.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário