Saiba como o estresse térmico afeta as vacas leiteiras e qual impacto ele causa na produção de leite.

O estresse térmico é um dos fatores de maior importância econômica na atividade leiteira, pois impacta diretamente na produção e reprodução das vacas. Vacas de alta produção sofrem ainda mais com as condições climáticas tropicais devido à grande produção de calor oriunda da ingestão de maiores quantidades de alimentos.

A produção de calor metabólico aliada às altas temperaturas do ambiente diminuem a capacidade do animal de regular a sua temperatura e dissipar o calor. Esta condição é conhecida como estresse térmico.

Animais de raças europeias, especialmente as vacas Holandesas, são mais sensíveis ao calor e se expressam melhor em temperaturas entre 4 e 24°C. Em temperaturas mais altas é necessário fornecer condições que minimizem o estresse térmico, a fim de reduzir perdas na produção.

Como identificar os sintomas do estresse térmico?

As vacas mostram alguns sintomas quando estão sofrendo com o calor, como:

-Aumento da frequência respiratória acima de 80 movimentos por minuto em 70% dos animais do lote

-Boca aberta e língua para fora, na tentativa de trocar calor com o ambiente

-Temperatura retal maior que 32,9°C em 70% dos animais do lote

-Aumento da ingestão de água

-Redução do consumo de alimentos e consequente queda na produção de leite

Impacto do estresse térmico na produção animal

O impacto mais conhecido é a queda na produção de leite, devido a redução no consumo de alimentos. Mas o estresse térmico também afeta o metabolismo, a reprodução e a saúde das vacas.

A mudança no comportamento alimentar e na quantidade de alimento ingerida são estratégias para minimizar a produção de calor. As vacas passam a se alimentar mais nas horas mais frescas do dia, e de forma rápida, o que aumenta o risco de redução do pH ruminal e consequente acidose. Com menos nutrientes disponíveis, a produção de leite começa a diminuir, podendo chegar a 30% de redução.

Além da produção, a reprodução também é afetada. As vacas começam a expressar o cio nas horas mais frescas do dia, dificultando a observação, e a duração do cio também é menor. A taxa de concepção fica comprometida e animais prenhes podem sofrer abortos, além de aumentar a incidência de metrite e retenção de placenta.

A qualidade do colostro de vacas que sofreram estresse térmico no período seco e pré-parto também fica comprometida, e a cria nasce com maiores chances de desenvolver doenças e ter problemas ao longo do seu crescimento. A produção de leite desta cria na primeira lactação também é afetada negativamente, por causa do estresse térmico que a mãe sofreu durante a gestação.

O sistema imunológico fica comprometido e o animal fica mais susceptível a desenvolver doenças como a mastite.

Estratégias para minimizar o estresse térmico

Existem algumas alternativas que os produtores podem utilizar para minimizar um pouco o estresse térmico e seus impactos na produção de leite.

  • Modificação física do ambiente:

Promover sombra e ventilação para os animais. Vacas resfriadas aumentam o consumo, o que ajuda na produção de leite. Se os animais são criados a pasto, é fundamental que haja sombra natural ou artificial para as vacas, como árvores e sombrites. Se são animais criados em galpões de confinamento, é necessário o uso de ventiladores e aspersores, para ajudar na dissipação de calor.

O uso destes equipamentos na sala de espera da ordenha também auxilia no conforto dos animais.

controle de Estresse térmico em vacas leiteiras
  • Fazer ajustes nutricionais:

-A dieta deve conter alta quantidade de nutrientes e baixo incremento calórico. Uma boa opção é aumentar a densidade energética da dieta utilizando alimentos que contenham alto teor de gordura.

-Utilizar tamponantes para estabilizar o pH do rúmen.

-Estimular o consumo da dieta.

-Alimentar as vacas nos horários mais frescos do dia, no início da manhã e final da tarde, evitando os horários mais quentes.

  • Realizar manejos nas horas mais frescas do dia.
  • Oferecer água limpa à vontade. O consumo de água aumenta consideravelmente no período de estresse.
  • Uso de raças geneticamente mais tolerantes ao calor:

Animais zebuínos ou provenientes do cruzamento de taurinos e zebuínos, como é o caso dos girolandos, são mais tolerantes ao calor e sofrem menos com o estresse térmico.

Garantir condições de conforto para as vacas, especialmente nos dias mais quentes, é o caminho para evitar queda na produção de leite e baixo desempenho reprodutivo do rebanho, que afeta negativamente a rentabilidade do produtor.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autora:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Pereira Viana

Zootecnista pela Universidade Federal de Viçosa com grande experiência em qualidade do leite, tendo atuado por mais de 9 anos junto aos produtores de variadas regiões do país.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário