Entenda a diferença entre estas duas práticas que visam recuperar pastagens degradadas

O Brasil possui, segundo dados da Embrapa, uma área total de pastagem de 150 milhões de hectares, dos quais 63,5% apresentam algum nível de degradação. Tendo em vista que temos o segundo maior rebanho bovino do mundo, sendo a maioria dos animais criados a pasto, a manutenção das pastagens deve ser uma prioridade nas propriedades.

A degradação das pastagens se caracteriza pela queda na produtividade da forrageira, perda do vigor, menor capacidade de recuperação após o pastejo, presença de plantas invasoras e até a completa exposição do solo. Tudo isso é extremamente prejudicial para os animais, para o produtor e para o meio ambiente, afetando a sustentabilidade da pecuária de todas as formas.

Apesar disso, existem práticas que são capazes de melhorar esse cenário e dentre elas estão a recuperação e a renovação das pastagens. É comum que as pessoas confundam o significado destes dois termos, e é por isso que vamos explicar cada um deles agora.

Pasto degradado

Recuperação x renovação

A recuperação da pastagem consiste no restabelecimento da produção da própria forrageira existente na área, ou seja, mantendo a mesma espécie ou cultivar. Após uma avaliação da área degradada, algumas alternativas podem ser implementadas, como:

  • Aplicação de corretivos no solo;
  • Adubação;
  • Redução da taxa de lotação;
  • Aplicação de herbicidas;
  • Descompactação do solo;
  • Ressemeadura da forrageira.

Já a renovação da pastagem consiste no restabelecimento da produção por meio da substituição da forrageira, isto é, introduzindo uma nova espécie ou cultivar na área.

O produtor pode utilizar herbicidas e tratos mecânicos para eliminar a forragem existente e logo após semear a nova forrageira, que deve ser escolhida com base nas particularidades que a propriedade apresenta.

Tanto a recuperação quanto a renovação podem ser feitas de forma direta, sem a utilização de culturas anuais, ou de forma indireta, quando se introduz uma cultura anual como milheto, sorgo forrageiro, milho, soja, etc. O objetivo é amortizar os custos até que se possa utilizar o pasto recuperado ou renovado.

Independente da prática a ser adotada, o planejamento deve ser muito bem executado, assim como o diagnóstico com informações da propriedade, da região e da forrageira a ser trabalhada, para se obter os melhores resultados.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário