Os dois tipos são muito parecidos, mas apresentam alguns pontos  que devem ser observados para que o resultado final seja uma silagem de qualidade

A silagem é uma das técnicas de conservação de alimento mais utilizada pelos pecuaristas, sobretudo a silagem de milho, muito usada nos sistemas de produção mais intensivos, especialmente na pecuária leiteira. Porém, um outro tipo de silagem vem ganhando espaço nas propriedades: a silagem de grão úmido e grão reidratado.

As silagens de grãos são alimentos que possuem um teor de matéria seca muito maior do que a silagem de planta inteira, apresentando teores que variam de 60 a 85%. Apesar de muitos pensarem que grão úmido e grão reidratado são sinônimos, as duas silagens apresentam algumas diferenças no processo de ensilagem.

Na silagem de grão úmido o milho é colhido quando apresenta cerca de 35 a 40% de umidade. Nesta fase o grão possui grandes quantidades de amido, o que é altamente desejável, e a colheita antecipada permite a liberação da área para o plantio de outras culturas. Após a colheita o grão é processado e ensilado. 

Já na silagem de grão reidratado, como o próprio nome sugere, adiciona-se água ao grão de milho seco, de forma a aumentar a umidade e estimular a fermentação. A vantagem da silagem de grão reidratado é que ela não é dependente da janela de colheita e nem das condições climáticas para o grão ser colhido, como acontece na silagem de grão úmido. Além disso, o produtor consegue comprar o milho em períodos estratégicos quando o cereal apresentar preços mais competitivos.

A ensilagem dos grãos proporciona o aumento na digestibilidade do amido, que fica mais disponível e facilita a ação dos microrganismos ruminais. Isso reduz perdas de energia e aumenta a eficiência alimentar, resultando em uma maior produtividade dos animais.

Distribuição manual da massa no silo

Foto: Marcos Neves Pereira – Canal Rural

Vantagens e desvantagens da silagem de grãos

A produção e o uso da silagem de grão úmido e/ou reidratado apresenta, como todo alimento, vantagens e desvantagens. Como vantagens destacam-se:

  • Maior digestibilidade;
  • Redução de perdas por roedores e insetos;
  • Antecipação da colheita e liberação da área; 
  • Ausência de impostos e taxas pelo armazenamento do grão.

E como desvantagens:

  • Não é possível comercializar;
  • Podem ocorrer perdas por fungos e consequente produção de micotoxinas se houver falhas no processo de ensilagem;
  • É preciso atenção na hora de fornecer aos animais para evitar desordens metabólicas como acidose ruminal. Um técnico para formular e balancear a dieta é essencial.

Não podemos esquecer que a qualidade da silagem de grão, seja úmido ou reidratado, depende da correta execução dos processos de ensilagem, como processamento do grão, correta reidratação, compactação e manejo após a abertura do silo. Contar com o auxílio de um profissional capacitado é fundamental para obter bons resultados. Pense nisso!

Embora os dois tipos sejam muito parecidos, ambos apresentam alguns pontos de atenção que devem ser bem observados para que o resultado final seja uma silagem de qualidade

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário