Conheça algumas práticas que podem ajudar a prevenir a disseminação de agentes causadores de doenças na propriedade

 

A palavra biosseguridade se refere a normas e procedimentos feitos na propriedade que têm como objetivo evitar a entrada de microrganismos causadores de doenças, bem como a sua disseminação pelo rebanho e por outras propriedades. A ocorrência de agentes infecciosos no rebanho tem um impacto muito grande na produtividade animal e na lucratividade do produtor além de afetar a segurança do alimento produzido ao consumidor, e, por esses motivos, as práticas de biosseguridade devem estar atreladas a um bom controle sanitário.

Muitas doenças que acometem os animais causam queda no desempenho, problemas reprodutivos, baixa produção de leite e até a morte, sendo que algumas são zoonoses importantes que impactam na saúde pública. Dentre elas podemos citar a raiva, a febre aftosa, a brucelose e a tuberculose, que geram inúmeros prejuízos tanto para a saúde quanto para setor em geral.

Além das zoonoses, outras doenças podem se instalar dentro da propriedade, por meio de patógenos trazidos por terceiros, como visitantes e transportadores, por exemplo. Sendo assim, algumas medidas de controle precisam ser implantadas para evitar esses riscos.

Vacas pastando

Medidas de biosseguridade

As medidas de biosseguridade são implantadas para evitar ou controlar a introdução de um novo patógeno no rebanho, chamada de biosseguridade externa, ou para controlar a disseminação dos patógenos já conhecidos dentro da propriedade, que é a biosseguridade interna.

  • Biosseguridade externa

-Quarentena: isolar animais que foram comprados recentemente até que se façam exames que comprovem a sua saúde, como testes de brucelose, tuberculose, cultura microbiológica para mastite, entre outros.

-Acesso ao interior da propriedade: evitar o acesso de terceiros ao interior da propriedade onde ficam os animais, especialmente os animais mais jovens como os bezerros, que possuem a imunidade mais baixa e podem facilmente ser contaminados. É importante demarcar a área de acesso aos veículos, como caminhões de leite, de ração e serviços, e que estes circulem somente onde não haja animais.

-Uso de EPI´s: os profissionais devem usar EPI’s higienizados e quando possível evitar o mesmo utilizado em outras propriedades, bem como descartar, em local apropriado, os materiais usados, como luvas cirúrgicas, luvas de palpação e agulhas.

-Pedilúvio e/ou rodolúvio: para lavagem e desinfecção das patas dos animais e dos calçados de funcionários de outros setores da propriedade e de visitantes, bem como as rodas dos veículos.

 

  • Biosseguridade interna

-Dividir os animais em lotes e realizar o controle sanitário próprio de cada fase: Lotes de vacas, novilhas e bezerros em ambientes separados. Cada fase exige um controle sanitário específico que deve ser atendido. Atentem-se para vacinação, é uma das medidas mais eficazes para o controle e erradicação de doenças no rebanho.

-Rotina de ordenha: realizar teste da caneca, pré e pós-dipping em todas as vacas.

-Realizar linha de ordenha: vacas com mastite clínica e/ou subclínica devem ser ordenhadas por último, especialmente se o patógeno causador for contagioso.

-Limpeza dos equipamentos de ordenha e tanque: devem ser lavados com água quente e com detergentes específicos.

-Fornecimento de colostro e cura do umbigo: o colostro deve ser ordenhado de forma higiênica, seguindo a rotina de ordenha, e fornecido ao bezerro nas seis primeiras horas após o nascimento. O umbigo deve ser curado com iodo 10% para evitar infecções.

-Piquete enfermaria: para animais que estão debilitados ou doentes, que devem ficar isolados e em ambiente apropriado.

-Uso de água limpa e de boa qualidade: usar água de boa qualidade para a limpeza dos equipamentos de ordenha, tanque e fornecimento aos animais, além de se atentar para a limpeza da caixa d’água e bebedouros.

-Controle de pragas, insetos e roedores: são animais que podem ser vetores de doenças, portanto, precisam ser controlados.

-Destino de carcaças: animais mortos apresentam risco potencial à saúde, por isso devem ser incinerados ou enterrados, de acordo com a situação, e a pessoa que for manusear precisa utilizar vestimentas e EPI’s para sua proteção.

– Higienização das mãos: prática que deve ser adotada por todos antes e após a realização das tarefas.

 

Essas são algumas das várias práticas de biosseguridade que devem ser adotas nas propriedades. Em cada fazenda o desafio sanitário é diferente, portanto, além do controle sanitário específico, as medidas de biosseguridade precisam ser adotadas e repassadas para todos os envolvidos. O treinamento constante aos colaboradores é fundamental para que as práticas se tornem rotineiras e assim, garantam a saúde e segurança de todos, bem como a qualidade do alimento produzido.

 

 

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário