No período de transição águas x seca o pecuarista precisa se planejar e adotar algumas estratégias para evitar prejuízos com a perda de peso do rebanho

O principal sistema de produção de carne utilizado no Brasil é o sistema a pasto, que é a fonte mais barata de alimento para o rebanho. Contudo, a disponibilidade e a qualidade do pasto oscila durante o ano, devido a sazonalidade de produção das forrageiras. No período de transição águas x seca, ou seja, aquele que antecede o inverno, o pecuarista precisa se planejar e adotar algumas estratégias para evitar prejuízos com a perda de peso do rebanho.

Por ser uma época de pouca chuva e com temperaturas mais amenas, as forragens não conseguem crescer e se desenvolverem com a mesma velocidade e qualidade, o que pode levar a uma perda de peso dos animais, representando um alto custo de recuperação nos meses seguintes,  sendo necessário ajustes na nutrição.

Assim, o planejamento é essencial para manter o bom desempenho dos animais e conseguir passar pelo período de transição.

Animais se alimentando no cocho

Principais estratégias a serem utilizadas

É importante ressaltar que as estratégias adotadas no período de transição devem ser pensadas ainda no período das águas, para minimizar os impactos da disponibilidade e qualidade da forragem.

  • Diferimento de pastagem: vedar os pastos para permitir o acúmulo de forragem e garantir que haja alimento no período mais seco que se aproxima. Essa vedação deve ser feita ainda no período das águas.
  • Ajustes na taxa de lotação: ajustar a taxa de lotação em função da qualidade e suporte das pastagens para que não se comprometa toda a produção de massa verde. Esse ajuste pode ser feito por descarte de animais ou redistribuição.
  • Retirar os animais que consomem mais forragem: terminar e abater os animais mais pesados garante um maior estoque de pastagem na propriedade.
  • Ajustes na suplementação para o período de transição: iniciar o fornecimento de um suplemento adequado é fundamental nesta fase, onde a qualidade nutricional do capim começa a reduzir, afetando o seu consumo e digestibilidade.
  • Redimensionamento dos cochos: garantir que todos os animais tenham acesso ao cocho é essencial, para que todos possam consumir os suplementos e minerais. Para realizar o ajuste no tamanho do cocho é preciso levar em consideração o tamanho do lote, do pasto e o tipo de suplementação. 
  • Disponibilidade e limpeza dos bebedouros: o consumo de água é fundamental para um bom consumo de pasto e suplementos. Muitas vezes a limpeza dos bebedouros é negligenciada, mas a ingestão de água pode limitar o consumo de capim, por isso é importante ter bebedouros com água limpa e de qualidade nos pastos.
  • Tenha a assistência técnica de um bom profissional: ter alguém capacitado para orientar nas tomadas de decisão da fazenda é fundamental para conseguir ter bons resultados na pecuária. Por isso, busque auxílio para conseguir passar pela fase de transição da melhor maneira possível, mantendo o desempenho do rebanho.

E lembre-se: planejamento estratégico é obrigatório para quem quer ter melhores resultados e não sofrer prejuízos com a perda de peso e o efeito sanfona dos animais. Pense nisso!

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana – @dicasdazootecnista

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário