Conheça alguns fatores que podem afetar o consumo de alimento das vacas e reduzir a produção de leite e a lucratividade do produtor

O consumo de alimentos é fator primordial para manter a saúde, bem-estar e produtividade das vacas, juntamente com uma boa produção de sólidos no leite. Uma nutrição adequada, com dietas balanceadas e compostas por alimentos de qualidade, será responsável por nutrir e ajudar o animal a expressar seu potencial produtivo de acordo com a sua genética.

Além disso, a alimentação do rebanho é o elemento que mais impacta no custo de produção da atividade leiteira, portanto, precisa ser cuidadosamente planejada e fornecida de forma adequada para os animais, a fim de evitar desperdícios, baixa produtividade e gastos desnecessários.

Mas somente a dieta balanceada não garante que as vacas irão consumir as quantidades que necessitam para sua mantença e produção. Outros fatores contribuem para que esse consumo previsto pelo nutricionista no momento da formulação da dieta não seja realmente consumido, levando à redução da produção de leite, desperdício de alimentos e aumento dos custos.

Vacas se alimentando no cocho

Fatores que afetam o consumo de alimentos

  • Digestibilidade dos alimentos e qualidade da fibra

Alimentos com baixa digestibilidade e alto teor de fibra limitam fisicamente o consumo, pois ocupam toda a cavidade ruminal e possuem baixa velocidade de digestão, impedindo que o animal consuma mais alimentos.

  • Problemas metabólicos

Problemas como acidose e cetose reduzem o consumo e, consequentemente, a produção de leite, além de causarem desconforto e mal-estar nos animais.

  • Espaço de cocho

O espaço de cocho se torna um limitante de consumo quando é dimensionado de forma incorreta e existe dominância entre as vacas, que acontece com frequência quando não há divisão de lotes. As vacas dominantes vão ao cocho mais vezes e dificultam o acesso das outras, que tem o seu consumo e desempenho reduzidos.

  • Frequência de trato

A frequência de trato, que deve ser feita no mínimo duas vezes ao dia, é um estímulo para as vacas irem ao cocho. Da mesma forma, aproximar o alimento para perto delas também, pois estimula o consumo e aumenta a ingestão de nutrientes.

  • Manejo de sobras

Tão importante quanto a frequência de trato é o manejo das sobras. Restos do trato do dia anterior devem ser descartados, pois ao misturar o trato fresco com o antigo pode haver rejeição pelas vacas. Além do descarte, é importante mensurar a quantidade que está sobrando e relacionar com a quantidade fornecida, como forma de ajustar o consumo. O ideal é que a sobra seja de aproximadamente 5% do que foi fornecido. Valores abaixo indicam que a quantidade de alimento fornecida está sendo insuficiente, enquanto valores acima podem indicar excesso de alimento, rejeição, problemas com digestibilidade etc.

  • Estresse térmico

O estresse térmico é um dos fatores que mais influenciam no consumo, pois uma das formas que as vacas possuem de dissipar o calor é reduzindo a ingestão de alimentos. Desta forma, a produção e a qualidade do leite são prejudicadas.

  • Consumo de água

A água é o nutriente mais importante na nutrição de vacas, visto que a quantidade de água ingerida regula a quantidade de alimento consumido. Vacas que bebem pouca água comem menos, refletindo imediatamente na produção de leite. A água fornecida deve ser limpa, com qualidade e em quantidade suficiente, principalmente nos meses mais quentes do ano, quando o seu consumo aumenta.

  • Problemas de saúde

Vacas com mastite ou problemas de casco, por exemplo, vão menos ao cocho, seja pela dor ao caminhar ou pela própria condição da doença. Isso reduz bastante o consumo de alimentos e o produtor precisa cuidar um pouco mais da dieta destes animais, para que a sua recuperação ocorra mais rapidamente e com menos perdas produtivas.

  • Qualidade dos alimentos

A qualidade dos alimentos não influencia somente o consumo, mas também a saúde dos animais. Alimentos mofados, azedos ou de origem da varredura de fábricas podem estar contaminados com micotoxinas e microrganismos que afetam a saúde das vacas, além reduzirem o consumo e a produção de leite.

 

O manejo nutricional vai muito além de formular uma dieta e colocar os alimentos no cocho. É necessário observar os animais, fazer o manejo das sobras, verificar as condições de conforto e bem-estar, relacionar a dieta formulada com a dieta consumida, analisar a produção de leite e de sólidos e fazer os ajustes necessários para alcançar os objetivos que a propriedade possui.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário