Saiba mais sobre a indução à lactação, uma técnica que possibilita que vacas saudáveis e com problemas reprodutivos entrem em lactação sem passarem pelo período de gestação

 

O bom desempenho reprodutivo do rebanho é um dos pilares para o sucesso na atividade leiteira, visto que ele indica boa saúde reprodutiva e bom preparo da mão de obra da propriedade. Quando uma vaca apresenta problemas reprodutivos persistentes, geralmente ela é selecionada para o descarte involuntário, visto que não é viável economicamente mantê-la no rebanho. Nesses casos, a indução à lactação entra como uma alternativa ao invés do descarte, possibilitando que a vaca entre em lactação sem passar pelo período de gestação.

 Fatores que afetam o desempenho reprodutivo

Além de fatores relacionados à própria fertilidade da vaca, alguns outros podem afetar negativamente o seu desempenho reprodutivo, aumentando o intervalo de partos e prejudicando os índices da fazenda. São eles:

-Nutrição: animais com deficiências nutricionais e baixo escore corporal tendem a atrasar a manifestação de cio ou não conseguem seguir com a gestação quando emprenham. Animais com alto escore corporal também apresentam problemas.

-Conforto térmico: no período mais quente do ano a falha na detecção de cios é maior, pois o calor reduz a duração do cio e normalmente as vacas expressam o cio nos períodos mais frescos do dia, como a noite e a madrugada, dificultando a sua observação.

-Qualidade do sêmen: sêmen de baixa qualidade reduz a taxa de concepção;

-Habilidade do inseminador: o inseminador precisa ser treinado e ter experiência em inseminação artificial, sabendo o momento certo de inseminar e como fazê-lo de forma correta.

Vaca leiteira pastejando

Como funciona a indução

O protocolo de indução simula as variações hormonais que ocorrem no organismo algumas semanas antes do parto, sinalizando que chegou a hora de voltar a produzir leite e estimulando o desenvolvimento da glândula mamária. Vacas que passam pelo protocolo de indução produzem cerca de 77% do leite que foi produzido na sua última lactação, de acordo com FREITAS et al., 2010 apud RAMOS, 2013.

Para induzir a produção de leite são utilizados hormônios como progesterona, prostaglandina, estrógeno, somatotropina e cortisol, que simulam a condição que ocorre nas semanas anteriores ao parto, no momento da colostrogênese. Desta forma, vacas que passam por esse protocolo produzem colostro e leite de transição como vacas que acabaram de parir, e por isso este leite não deve ir para o tanque até que esteja próprio para o consumo.

Além de vacas com problemas reprodutivos, novilhas que não conseguiram emprenhar após várias montas ou inseminações também podem passar pelo processo de indução. Antes de realizar o protocolo é necessário observar alguns critérios como:

– Ter bom escore corporal;

-Estar sadia, sem problemas crônicos como mastite ou problemas de casco;

-Estar seca no mínimo a 60 dias;

-Ter uma nutrição adequada, principalmente após iniciar a produção de leite.

 

A indução à lactação é uma ferramenta que auxilia muitos produtores que enfrentam problemas reprodutivos em animais de boa produtividade, pois evita o descarte involuntário e reverte a condição improdutiva dos animais. Antes de optar pela indução, o produtor deve consultar o técnico responsável e analisar a viabilidade financeira do protocolo.

Ficou curioso e quer aprender mais sobre pecuária?
Leia mais em: https://esteiogestao.com.br/blog/

Use um sistema que te permite acessar as informações a qualquer momento e em qualquer lugar.

Você é produtor e quer gerenciar o seu negócio de forma prática e rápida? Conheça as nossas soluções agropecuárias em: https://esteiogestao.com.br/produtos-e-servicos/

Autor:

Eduarda - Autora do conteúdo Controle estratégico de carrapatos

Eduarda Viana

Zootecnista, criadora do perfil @dicasdazootecnista no Instagram.

Nos acompanhe nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades.

Deixe um Comentário